30 de dez de 2011

Pela fresta da janela

imagem reprodução
Depois de um longo inverno, esperei ele voltar.
Ouvi passos na varanda e pela fresta da janela
Eu o vi se aproximar...
 
Demorei pra abrir a porta, pra meu coração testar
Senti uma imensa tristeza, por nada dentro encontrar
Procurei por sentimentos, mágoas ou decepção
Estava tudo vazio, sem vestígios de emoção...


A falta que ele fazia, quando a noite chegava e os
minutos se transformavam em conta-gotas, a passar
lentamente pelo murmúrio do silêncio que precede
a madrugada, onde os pássaros procuram os galhos
para se aquecerem do frio, que estava a espreita,
eu não sentia mais...

Nessa inquietude profunda, neste turbilhão de
sentimentos, eu fico querendo sair, saio
querendo ficar. Ficar para tentar observar se ainda
há pequenas sobras do grande amor que sentia... 

Sair porque o amor é dor é saudade é tristeza e
mesmo assim, eu não quer perde-lo, porque ele
preenche a lacuna que não quer ficar oca...

Saio e vou ao seu encontro, fico um longo tempo
em silêncio no seu abraço, sou como as flores
do meu jardim que ficam a espera do orvalho que
de mansinho vai caindo até elas adormecerem...

Mas também sou a fonte a jorrar poemas
Um coração vazio em combustão é o tudo 
e o nada, o tempo e a pausa, estou
longe e perto, imersa no silencio da noite
Envolta em serena e triste solidão...
 
Autora: Leila Mustafa Cury
Aqui deixo um poema que fala mais de mim que eu mesma...

Feliz Ano Novo a todos!

Acontece

Bateram à minha porta em 6 de agosto,
aí não havia ninguém e ninguém entrou,
sentou-se numa cadeira e transcorreu
comigo, ninguém.

Nunca me esquecerei daquela ausência
que entrava como Pedro por sua causa
e me satisfazia com o não ser, com um
vazio aberto a tudo.

Ninguém me interrogou sem dizer nada
e contestei sem ver e sem falar.

Que entrevista espaçosa e especial!

(Últimos Poemas)
pablo Neruda

19 de dez de 2011

Apesar de...

Um trecho escrito pela única e inesquecível Clarice Lispector:

imagem reprodução


Beijo e boa semana!
Cintia

12 de dez de 2011

A vida

Olá,
Neste início de semana, trago Einstein para o blog.



A vida!

"A vida é como jogar uma bola na parede :
Se for jogada uma bola azul, ela voltará azul;
Se for jogada uma bola verde, ela voltará verde;
Se a bola for jogada fraca, ela voltará fraca;
Se a bola for jogada com força, ela voltará com força.
Por isso, nunca ‘jogue uma bola na vida’ de forma que você não esteja pronto a recebê-la.
A vida não dá nem empresta;
não se comove nem se apieda.
Tudo quanto ela faz é retribuir e transferir aquilo que nós lhe oferecemos." (Einstein)