21 de jul de 2011

Logos - Antero de Quental

Tu, que eu não vejo, e estás ao pé de mim
E, o que é mais, dentro de mim — que me rodeias
Com um nimbo de afectos e de idéias,
Que são o meu princípio, meio e fim...

Que estranho ser és tu (se és ser) que assim
Me arrebatas contigo e me passeias
Em regiões inominadas, cheias
De encanto e de pavor... de não e sim...

És um reflexo apenas da minha alma,
E em vez de te encarar com fronte calma,
Sobresalto-me ao ver-te, e tremo e exoro-te...

Falo-te, calas... calo, e vens atento...
És um pai, um irmão, e é um tormento
Ter-te a meu lado... és um tirano, e adoro-te!

Antero de Quental, in "Sonetos"

19 de jul de 2011

25 maneiras de usar lenços

bons dias!

Com muita honra, fui convidada pelas proprietárias deste blog para colaborar com assuntos de interesse geral...espero que curtam!

A primeira dica é um vídeo super bem bolado que ensina 25 formas de amarrar nossas pashminas!

Bisous!

Karla



17 de jul de 2011

Compreender tudo o que for compreensível



imagem reprodução


"Mas o que vê e ouve ou lê nada mais lhe traz senão matéria-prima de pensamento, já livre de muita impureza de minério bruto, porquanto antes do seu outros pensamentos o pensaram; mas, por o pensarem, alguma outra impureza lhe terão juntado. Nunca se precipite, pois, a aderir; não se deixe levar por nenhum sentimento, exceto o do amor de entender, de ver o mais possível claro dentro e fora de si; critique tudo o que receba e não deixe que nada se deposite no seu espírito senão pela peneira da crítica, pelo critério da coerência, pela concordância dos fatos; acredite fundamentalmente na dúvida construtiva e daí parta para certezas que nunca deixe de ver como provisórias, exceto uma, a de que é capaz de compreender tudo o que for compreensível; ao resto porá de lado até que o seja, até que possa pôr nos pratos da sua balancinha de razão. A tudo pese. Pense."
Agostinho da Silva in Textos e Ensaios Filosóficos

14 de jul de 2011

Algemas


Me sinto algemado pelos laços da tristeza,
pudera alguém ver-me a alma, e esta
se assustaria ao ver a lama que se instala 

Sou presa fácil para predadores, sem forças
para seguir, sem condições de encontrar saídas,
sem perspectivas do amanha

Qual redoma foi criada? Que cordão eu não cortei?
Medo, solidão, talvez! Transformar-me ia senão
em nada, nada é o que espero.

Outrora a passos largos decididos, cabeça erguida,
peito inflado, paixão pela vida
Hoje, algemas, tristezas, culpas

Depois de perdas e danos, algo lindo vislumbrei,
Um par de olhos verdes, que um dia magoei
Esse brilho ofuscante me guiou por instante

Até a fresta da loucura, onde estava a lucidez
Ela é tudo que tenho e não a quero perder
Foi nela, a lucidez, que com força me agarrei

Com a luz daqueles olhos, um atalho eu encontrei
fiz o caminho de volta, na mala as poucas roupas,
mas na mente a esperança de parar com essas andanças

Despir-me da arrogância, refugiar-me em seus braços
Sentir seu menino amado, meu coração abrandar
O silêncio não é o que cala, mas sim o que silencia

Pra finalmente dizer! Isto sim se chama paz.


Autora: Leila Mustafa Cury





 


Reflexão

"Você quer ser feliz por um instante? Vingue-se. Você quer ser feliz para sempre? Perdoe".

 Teilhard de Chardin

12 de jul de 2011

Reflexão...

Não somos seres humanos passando por uma experiência espiritual. Somos seres espirituais passando por uma experiência humana
 Teilhard de Chardin

8 de jul de 2011

Encontro de Almas

imagem reprodução
Muito tempo eu o esperei, muito também
eu sonhei, sabia que quando o visse, logo o reconheceria,
pois metade da minha alma com ele permanecia

Ele chegou de repente, tão seguro e sedutor, se aproximou devagar e
meu coração disparou, quando as almas se juntaram, seguiu-se um diálogo encantador

Minha alma disse a sua, até que enfim você me achou, dizendo que a algum tempo, andava em uma cidade, em uma rua qualquer, sentiu uma brisa suave e um perfume tentador

Como nada aconteceu...Pensou, não foi dessa vez!
Sentiu saudades de alguém que nem sequer conhecera

Sua alma disse a minha, junto a ele fui feliz, ouvia belas canções, e
até de um tal Neruda alguns versos decorei, de palácios a
barracos, vivi grandes aventuras, sentia imensa ternura, por alguém tão sonhador

Mas vou logo te avisando, não pense que vai ser fácil, ele é como um beija-flor, voa livre pelos campos, beija a todas no caminho, e não se prende a nenhuma flor

Refletindo o que me disse, minha vida é tão vazia, que vale a pena tentar, quero ouvir lindos versos, e cantar belas canções, quero viver em barracos, mas viver um grande amor


Autora: Leila Mustafa Cury

7 de jul de 2011

Saudade

imagem reprodução

Saudade é como um pássaro, que ficou só no seu ninho...
o olhar sempre distante, na ânsia de vislumbrar, nem que
seja num instante, o teu amado voltar...

Tentando ouvir no silêncio, o bater de tuas asas, que na calada da noite, com seu pouso barulhento, sentia se aproximar, 
contando tuas historias, com teu jeito peculiar...

Declamando lindos versos, cantando belas canções,
Tudo isso ao mesmo tempo,  parecia estar com medo,
do teu tempo acabar...

E  aninhada em seu peito, ela o ouvia dizer:
Pardal sempre volta ao ninho, não consegui te esquecer.
Pelos campos onde voei, e nos galhos que pousei, sempre havia
uma corrente, presa entre eu e você

Sentia a tua saudade, sentia a tua tristeza,  nas noites frias
de inverno, nas belas manhas de outono, nas tardes de primavera.
Anjo de asa quebrada, esperando eu retornar...

No vento da madrugada, sentindo-se quase nada, apenas no peito
a mágoa e no rosto uma lágrima  que teimava em rolar.
Na mente uma esperança, que no fim dessas andanças, pra ti eu ia voltar...

E agora estou aqui, e digo a mim mesmo,  já nem penso mas em ti...
Mas será que nunca deixo de lembrar que te esqueci...
Entre o instante que perde e o momento que se antecipa,
Tudo que peço é tempo, tempo pra viver pra ti....

Autora: Leila Mustafa Cury



Amor Além da Eternidade

imagem reprodução

O dia amanhecera, quando ele a avistou, com um vestido de chita e no cabelo uma flor. Meu pai com seu jeito nobre, de minha mãe
se aproximou...

Menina como é seu nome? Deslumbrada, com tão belo homem, com timidez respondeu, Ruth Arruda meu senhor. Eu me chamo, Mohamed Alí Mustafa, mas prá você, sou Agenor...

É que estive na guerra e hoje sou um desertor. Verdadeiro só o sobrenome, eu escolhi o Agenor. E da soleira da porta, ela se levantou, tirou a flor do cabelo e para ele entregou...

Quando secar, guarde dentro em um livro, para nunca me esquecer. Menina eu sou um nômade, não tenho muitas paradas, vou seguir o meu caminho, não tenho eira nem beira, nada a lhe oferecer...

Meu senhor, também sou pobre, mas, meu pai é um homem rico, poderá nos ajudar. Porque és pobre com pai rico? E ela lhe respondeu, é uma história triste, sem mãe, sem lar, sem amor...

De seu pai, só quero a filha, meu orgulho não tem preço, em palácios ou barracos, nunca vou te abandonar. Menina luz dos meus olhos! Voltarei prá te buscar. Vou ganhar algum dinheiro, para contigo casar...

Com um sorriso radiante, ela assim lhe respondeu, tenho apenas 15 anos e muito tempo prá esperar. Todos os dias as cinco, sentarei aqui na porta, na esperança te ver voltar...

E ele foi se afastando, altivo levando a flor,

Numa tarde fria de inverno, ele apareceu. Trazia uma linda caixa, dentro um vestido lilás. Menina, vim aqui prá te buscar. Andei por muitos caminhos, vivi muitas aventuras, não consegui te esquecer.


Quer saber o fim da história? Ela nunca terminou, o moço belo de outrora, foi o único que ela amou. Tiveram nove filhos, eu sou a quinta desse amor.

Um dia ele partiu, pouco depois ela o acompanhou. A flor seca, o livro e algumas fotos desbotadas, foi a herança, a lembrança e a saudade que ficou...

E lá na eternidade, estão juntos abraçados, pois a missão foi cumprida, desde aquele vestido de chita, deixaram muitos frutos desse amor. Dentre eles tinha um anjo, que com um par de olhos verdes, suas vidas iluminou...

Autora: Leila Mustafa Cury

Publicado no Recanto das Letras em 15/04/2011

6 de jul de 2011

Desejo do dia: Naked Palette

Para quem ama tons neutros, essa paleta é perfeita! A Naked Palette da Urban Decay tem 12 tons de sombra que variam do bege, marram, dourado ao grafite. Os acabamentos são variados: opacos, pouco brilhantes e muito brilhantes. Com ela e somente ela é possível fazer desde um olho bem basiquinho para o dia, até um olhão incrível para a noite.
Além das cores maravilhosas soube que a  duração das sombras também é impressionante.


imagem reprodução

Preço: US$ 48